Quero um cão de raça, mas de graça!

Com a crescente importância que as redes sociais têm vindo a ter nas nossas vidas, quantas vezes alguém pede para fazer parte de um grupo de determinada raça apenas para escrever um post que diz “Quero um cachorro desta raça, mas para adoção, não quero pagar por ele”.

Alguns destes posts até referem qual o sexo, que têm preferência por um cachorro e em que local do país se situam.

Não querendo fazer juízos de valor, podem existir vários fins por detrás desta pergunta: tanto pode ser alguém que até vai mesmo tratar bem esse cão como cão de família, como; pode ser um oportunista que quer um cão de raça de graça para depois “fazer ninhadas”; ou para fins menos lícitos.

Falando apenas do primeiro caso, alguém com boas intenções que quer um cão de raça para viver em família. A primeira questão que se coloca é: se não tem dinheiro para comprar o cachorro, como o vai sustentar?

O primeiro ano de vida de um cachorro é particularmente dispendioso!

» Tem de se comprar tudo o que cachorro necessita, mesmo falando só do mais básico, é preciso: cama, comedouro, bebedouro, brinquedos, escova ou pente, coleira e trela.

» Proporcionar uma alimentação de qualidade para que cresça saudável e sem carências alimentares. No caso de raças grandes/gigantes ou de desenvolvimento mais lento, esta questão é ainda mais pertinente.

» E os custos no médico veterinário: check up quando o cachorro chega à nova casa, vacinação e desparasitação, sem considerar eventuais problemas que o cachorro possa já ter ou vir a desenvolver.

Mas, atenção, estes custos são os mesmos quer adote um cachorro com raça ou sem raça definida!

Outra coisa a considerar é que quando dois cães cruzam entre si, independentemente de ter raça ou ser sem raça definida, quer a mãe, quer os cachorros devem receber mais cuidados. E começam os custos!

Estamos a falar de uma alimentação adequada durante a gravidez, amamentação e recuperação da mãe. Acompanhamento veterinário da gravidez e dos cachorros. Consultas, vacinação e desparasitação. Manutenção dos cachorros até às 8-12 semanas. Entre outros gastos que possam surgir.

Se a ninhada tiver este acompanhamento, podemos concluir que qualquer cachorro saudável e bem sociabilizado, mesmo sem raça definida, representa um custo significativo ainda antes de ir para a sua nova família.

Em relação a um cachorro de raça estes custos aumentam e muito! Existem vários outros custos associados, desde o planeamento da ninhada à comprovação das aptidões dos progenitores.

Vamos resumir estes custos ao básico, tendo como base que estamos a falar de um criador responsável, ético e que seleciona a sua linha de acordo com o estalão da raça.

Quando custa um cão reprodutor?
» O criador tem de estudar os pedigrees, procurar o exemplar certo e paga um valor justo por este;
» Durante o seu desenvolvimento, até estar apto para o primeiro cruzamento, tem, no mínimo, os custos de alimentação e médico veterinários;
» Participação em eventos de Morfologia Canina e/ou Provas Práticas para que os exemplares sejam avaliados por juízes especialistas da raça. Neste caso, além da participação no evento em si, tem de se adicionar os custos das viagens, alimentação e alojamento;
» Custos dos despistes de saúde relevantes para a raça em questão, para aferir se determinado exemplar deve ser reprodutor ou não. Afinal, o objetivo de uma ninhada deve ser sempre procurar melhorar as gerações anteriores.

Quanto custa o cruzamento?
» Quando decide avançar com o cruzamento terá de realizar todos os exames veterinários e genéticos que garantam que estão aptos a reproduzir;
» Se ambos os progenitores forem da sua propriedade, não paga o cruzamento, mas se recorrer a um macho de outro criador tem de o pagar;
» A cruza pode ser natural ou por inseminação artificial. Se for natural tem de considerar que, por vezes, os reprodutores estão a quilómetros de distância entre si ou até em outro país. No caso de inseminação artificial há os custos significativos do transporte de sémen e o procedimento deve ser feito por um médico veterinário;
» Após o cruzamento seguem-se vários exames e procedimentos médicos para acompanhar a gravidez.

Já estamos a falar de um investimento financeiro muito grande e os cachorros ainda não nasceram!

Quanto custa o cachorro?
» Alimentação de elevada qualidade para a progenitora durante a gravidez e aleitamento;
» O parto pode ser normal ou exigir uma cesariana;
» Normalmente, a progenitora cria os seus cachorros, amamentando-os, mas caso ocorra algum problema (mamites, infeções, morte da mãe, etc.) pode ser necessário alimentar os cachorros a biberão, dia e noite;
» Acompanhamento do desmame e alimentação adequada aos cachorros;
» Acompanhamento veterinário da cadela e cachorros;
» Desparasitação, vacinação e identificação com microchip dos cachorros;
» Registo da ninhada e dos cachorros no Livro de Origens Português (LOP).

Não menos importante, até o cachorro ir para a nova família, o criador deve proporcionar-lhe uma correta sociabilização a todos os níveis. Estamos a falar, por exemplo, de enriquecimento ambiental, brinquedos de diferentes materiais e texturas, exposição a sons do dia-a-dia, caminhar em diferentes pisos, convívio com outros animais e pessoas de várias idades, entre outros. E muita disponibilidade de tempo por parte do criador.

Um cachorro de raça é a soma de todos estes custos.

Depois de ler este artigo, pare e pense um pouco. Acha mesmo que é possível dar, a custo zero, um cão de raça com os pais testados, dentro do estalão, saudável e bem sociabilizado?

ARTIGOS RELACIONADOS
» O que é o pedigree de um cão?
» Que idade deve ter o cachorro para ir para casa da nova família?

EnglishFrenchPortugueseSpanish