O novo coronavírus e os animais de companhia

Este é o tema do momento, especialmente depois de terem sido confirmados os primeiros casos de coronavírus em Portugal. É normal os donos estarem apreensivos em relação aos seus animais de companhia.

No sentido de ajudar os veterinários e donos a compreender melhor a situação atual, o Comité Científico e o Comité de Saúde Pública da World Small Animal Veterinary Association – WSAVA emitiram um Documento Informativo, atualizado a 7 de março, que inclui a resposta às perguntas mais frequentes.

A WSAVA recomenda que os proprietários de animais de estimação em áreas onde há casos humanos conhecidos de COVID-19 lavem as mãos antes de interagir com seus animais de estimação e, se estiverem doentes, usam máscaras quando perto deles.

Lista de perguntas e respostas da WSAVA

1. Como me proteger a mim e à minha equipa clínica?
Visite a página de prevenção e tratamento da COVID-19 para saber mais sobre como se proteger de doenças respiratórias, como a COVID-19.
www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/about/prevention-treatment.html

2. A COVID-19 pode infetar animais de estimação?
Atualmente, existem evidências limitadas de que animais de estimação (cães e gatos) possam ser infetados pelo SARS-Cov-2, e não existem evidências de que cães e gatos possam ser uma fonte de transmissão para outros animais ou humanos. Esta é uma situação em rápida evolução e as informações serão atualizadas à medida que estiverem disponíveis.

3. Devo evitar o contato com animais de estimação ou outros animais se estiver doente com a COVID- 19?
O CDC recomenda o seguinte: “Deve restringir o contato com animais de estimação e outros animais enquanto estiver doente com a COVID-19, assim como faria com outras pessoas. Embora não tenha havido relatos de animais de estimação ou outros animais adoecendo com a COVID-19, ainda é recomendável que pessoas doentes com a COVID-19 limitem o contato com animais, até que mais informações sejam conhecidas sobre o vírus. Quando possível, peça a outro membro da sua família que cuide dos seus animais enquanto estiver doente. Se está doente com a COVID-19, evite o contato com seu animal de estimação, incluindo acariciar, aconchegar-se, ser beijado ou lambido e compartilhar alimentos. Se precisar de cuidar do seu animal de estimação ou ficar perto de animais enquanto estiver doente, lave as mãos antes e depois de interagir com os animais e use uma máscara facial.”
Verifique se há novas atualizações no site do CDC em:
www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/faq.html#2019-nCoV-and-animals

4. Se o meu animal de estimação esteve em contato com alguém doente com COVID-19, pode transmitir a doença para outras pessoas?
Embora ainda não tenhamos certeza, existem evidências limitadas de que animais de estimação possam ser infetados ou transmitir o SARS-Cov-2. Também não existem evidências de que eles possam adoecer por uma infeção com este novo coronavírus. Além disso, atualmente não há evidências de que animais de estimação possam ser uma fonte de infeção para as pessoas. Esta é uma situação em rápida evolução e as informações serão atualizadas à medida que estiverem disponíveis.

5. O que devo fazer se meu animal de estimação desenvolver uma doença sem causa determinada e
estiver em contato com uma pessoa com a COVID-19?
Ainda não sabemos se animais de estimação podem ser infetados pelo SARS-Cov-2 ou ficar doentes com a COVID-19. Se o seu animal de estimação desenvolver uma doença sem causa definida e foi exposto a uma pessoa com a COVID-19, converse com um agente de saúde pública que esteja acompanhando o tratamento do doente com a COVID-19.
Se a sua área possui um veterinário ligado à saúde pública, o agente de saúde pública responsável pelo caso deverá consultar o veterinário ou outro funcionário responsável. Se o veterinário de saúde pública do município, ou outro funcionário da saúde pública, recomendar que leve o seu animal a uma clínica veterinária, ligue para a clínica e informe que está levando um animal de estimação doente que foi exposto a uma pessoa com a
COVID-19. Isso dará tempo à clínica para preparar uma área de isolamento. Não leve o animal a uma clínica veterinária, a menos que seja instruído por um agente da saúde pública.

6. Quais são as preocupações com animais de estimação que entraram em contato com pessoas infetadas com esse vírus?
Embora a COVID-19 pareça ter surgido de uma fonte animal, agora está a espalhar-se de pessoa a pessoa. Acredita-se que a disseminação pessoa a pessoa ocorra principalmente por gotículas respiratórias produzidas quando uma pessoa infetada tosse ou espirra. No momento, não está claro o quão facilmente ou de forma sustentável esse vírus se está a espalhar entre as pessoas.
É importante ressaltar que existem evidências limitadas de que animais de companhia, incluindo animais de estimação como cães e gatos, possam ser infetados pelo SARS-Cov-2.
Embora não haja evidências de que os animais de estimação desempenhem um papel na epidemiologia do COVID-19, a higiene das mãos deve ser mantida por toda a equipa clínica durante toda a interação veterinária, especialmente se estiver lidando com um animal em contato com uma pessoa infetada.

7. O que deve ser feito com os animais de estimação nas áreas em que o vírus está ativo?
Atualmente existem evidências limitadas de que animais de estimação possam ser infetados com este novo coronavírus. Embora não tenha havido relatos de animais de estimação ou outros animais adoecendo com a COVID-19, até que saibamos mais, evite o contato com animais com os quais  não está familiarizado, e lave sempre as mãos antes e depois de interagir com os animais.
Se está doente com a COVID-19, evite o contato com animais em sua casa, incluindo acariciar, aconchegar, ser beijado ou lambido e compartilhar alimentos. Se precisar cuidar do seu animal de estimação ou ficar perto de animais enquanto estiver doente, lave as mãos antes e depois de interagir com os animais e use uma máscara facial.
Esta é uma situação em rápida evolução e as informações serão atualizadas à medida que estiverem
disponíveis.

8. Os veterinários devem começar a vacinar cães contra o coronavírus canino devido ao risco de SARS-Cov-2?
As vacinas contra o coronavírus canino disponíveis em alguns mercados globais destinam-se a proteger contra a infeção entérica por coronavírus e NÃO são licenciadas para proteção contra infeções respiratórias.
Os veterinários NÃO devem usar essas vacinas diante do surto atual, pensando que pode haver alguma forma de proteção cruzada contra o SARS-Cov-2.
Não há absolutamente nenhuma evidência de que a vacinação de cães com as vacinas comerciais disponíveis forneça proteção cruzada contra a infeção pelo SARS-Cov-2, uma vez que os vírus entéricos e respiratórios
são variantes distintas do coronavírus.
Atualmente, não existem vacinas disponíveis em nenhum mercado para infeção respiratória por coronavírus em cães.
[Informações do Grupo de Diretrizes de Vacinação, VGG-WSAVA].

9. Qual é a resposta da WSAVA ao relato de que um cão foi “infetado” com COVID-19 em Hong Kong?
Notícias de Hong Kong em 28 de fevereiro indicaram que o cão de um paciente infetado apresentava um resultado “fraco positivo” para COVID-19 após testes de rotina.
Em 5 de março, o Departamento de Agricultura, Pescas e Conservação de Hong Kong (AFCD) informou que foram testadas amostras nasais, orais, retais e fecais do cão. Nos dias 26 e 28 de fevereiro os esfregaços nasais e orais apresentaram resultados positivos, enquanto em 2 de março apenas os esfregaços nasais
apresentaram resultados positivos. As amostras retais e fecais apresentaram resultados negativos nas
três ocasiões.
Os testes, realizados tanto no laboratório veterinário do governo (AFCD) quanto no laboratório de diagnóstico para coronavírus humano da Universidade de Hong Kong (HKU), credenciado pela OMS, detetaram uma baixa carga viral nos esfregaços nasais e orais. Ambos os laboratórios usaram a reação em cadeia da polimerase por transcriptase reversa em tempo real (RT-PCR) e os resultados indicam que havia uma pequena quantidade de RNA viral nas amostras. No entanto, não indica se as amostras contêm partículas virais intactas, que são infeciosas, ou apenas fragmentos do RNA, que não são contagiosos.
O cão, que não apresenta sinais clínicos relevantes, foi retirado da casa, que era a possível fonte de contaminação, em 26 de fevereiro. O novo teste foi realizado depois que o cão foi colocado em quarentena para determinar se ele estava realmente infectado ou se a cavidade oral e narinas estavam contaminados com o vírus presente na residência.
O documento do AFCD afirma que o resultado “fraco positivo” da amostra nasal colhida 5 dias após a remoção do cão da possível fonte de contaminação sugere que o cão possui um baixo nível de infeção, e é possível que seja um caso de transmissão humana para animal. No entanto, ainda não há evidências de que animais de estimação, incluindo cães e gatos, possam ser uma fonte de infeção para outros animais ou humanos.

Nota: A WSAVA reconhece que nem todas as recomendações se aplicam para todas as áreas ou regiões a todo o momento e dependem do risco epidemiológico e da redução de riscos na área. A WSAVA incentiva os veterinários a manter contato próximo, e seguir as instruções, da sua autoridade veterinária local.

Os interessados podem consultar mais informação nestes websites:
• Organização Mundial da Saúde (OMS)
www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019
• Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC)
www.cdc.gov/coronavirus/about/index.html
• Organização Mundial para a Saúde Animal (OIE)
www.oie.int/scientific-expertise/specific-information-and-recommendations/questions-and-answers-on-2019novel-coronavirus/