PERDIGUEIRO PORTUGUÊS

O Perdigueiro Português tem origem na Península Ibérica; descende do antigo Braco Peninsular que é um ancestral comum a outros cães de parar. Evoluiu adaptando-se ao clima, terreno e tipo de caça bem como à selecção imposta por critérios sócio-culturais para a caça ao longo dos séculos.

A raça conservou a sua morfologia bem como os critérios de utilização, que são similares aos dos nossos dias. A sua existência está documentada em Portugal pelo menos desde o século XII. No século XIV era conhecido como "podengo de mostra" evidenciando já a sua apetência para a caça. Era criado nos canis reais e da nobreza e utilizado na caça ao falcão.

No século XVI, já designado como Perdigueiro (de perdiz), era também utilizado pelo povo. A fixação das atuais características e sua difusão por parte de um grupo de criadores e caçadores tem início no princípio do século XX.

Cão bracóide de tamanho médio, rectilíneo, robusto, mas com uma estrutura harmoniosa acompanhada de uma grande leveza de movimentos. Vistas de perfil, as linhas superior e inferior formam uma silhueta elegante.

Extremamente meigo e afectivo, rústico e capaz de uma grande resistência e de uma grande devoção.
Calmo e bastante sociável, mas um tanto petulante para os congéneres. Curioso por natureza, trabalha com persistência e vivacidade. Muito inflamado com a caça, colabora sempre estreitamente com o caçador.

Fonte: Clube Português de Canicultura
Pode consultar o estalão completo da raça AQUI.

PUBLICIDADE